loader image

divisórias moduladas

50 ANOS

50 anos

Com nossos anos de mercado entendemos o que você precisa e garantimos o CONHECIMENTO para um trabalho extremamente profissional e transparente.

Pioneirismo

Pioneirismo

Sendo a primeira empresa a trazer divisórias modulares para o Brasil temos o orgulho de dizer que estamos sempre APRENDENDO e assim INOVANDO.
adult-aged-blur-834863.jpg

você está no artigo

Cortinas como divisórias para uma arquitetura fluida e adaptável

Eu olho para cada peça de mobiliário e todos os objetos como uma escultura individual

-Elise de Wolfe

Durante as últimas décadas, os espaços interiores tornaram-se cada vez mais abertos e versáteis. Desde as paredes grossas e múltiplas subdivisões das villas paladianas, por exemplo, às plantas livres e multifuncionais de hoje, a arquitetura tenta combater a obsolescência, fornecendo ambientes mais eficientes para a vida transcorrer, facilitando as experiências cotidianas de pessoas no presente e futuro. E enquanto as antigas vilas de Palladio ainda podem acomodar uma variedade de recursos e estilos de vida, reajustando seus usos sem alterar um centímetro de sua simetria e modulação originais, hoje a flexibilidade parece ser a receita para prolongar a vida dos edifícios tanto quanto possível.

Como projetar espaços neutros e flexíveis o suficiente para se adaptar ao ser humano em evolução, oferecendo as soluções que cada pessoa demanda hoje em dia? Um elemento antigo pode ajudar a redefinir a maneira como concebemos e habitamos o espaço: cortinas.

Com evidências concretas detectadas durante a Idade Antiga e o Império Romano, as cortinas acompanham o ser humano há séculos na criação de seus espaços interiores. Mosaicos da antiguidade clássica, manuscritos ilustrados da Idade Média e até pinturas holandesas de 1600 mostram espaços que incluem cortinas usadas de várias maneiras [1]. Durante a Idade Média, e sendo replicadas nos tempos seguintes, as cortinas eram usadas para aumentar a privacidade das camas, enquanto na Ásia e na Europa a cortina era bastante famosa sob o nome de Portière, decorando as portas com pesados pedaços de veludo ou pelúcia. Na era vitoriana, bordas, dobras, laços e outros acessórios foram combinados com os mais diversos padrões, desenhos e tipos de tecidos.

Em 1927, as cortinas foram incorporadas magistralmente à arquitetura moderna através do Cafe Samt & Seide, projetado por Mies van der Rohe e Lilly Reich para a exposição “Die Mode der Dame” em Berlim, Alemanha. O espaço de 300 metros quadrados era dividido em cortinas de seda e veludo, estrategicamente colocadas e distribuídas por cores e alturas. Décadas depois, em 1995, o arquiteto japonês Shigeru Ban reinventou as tradicionais telas e persianas japonesas, projetando uma casa icônica coberta por enormes cortinas, variando as conexões entre público e privado, conforme exigido por seus usuários.

Hoje, os materiais e estilos mudaram. Tecidos sintéticos e os novos sistemas operacionais e de instalação oferecem novas possibilidades de aplicação, além de diferentes níveis de opacidade, absorção de luz, isolamento térmico e acústico e proteção UV, incluindo até sistemas automatizados. E embora sua principal função ainda esteja associada às janelas, sua capacidade de garantir alta fluidez e flexibilidade tornou as cortinas uma opção eficaz para dividir e zonear os espaços.

Fonte: Archdaily

IMG-20200313-WA0034
IMG-20200313-WA0056
definindo espaços

50 anos de história

Iniciamos nossas atividades há mais de 50 anos, com o desafio de produzir divisórias de alto padrão com velocidade e qualidade. Alcançamos nosso objetivo e atualmente trabalhamos com representantes nos principais estados do Brasil, além de exportar para países da América Latina entre outros.

Desenvolvemos projetos especiais de Divisórias Piso-Teto e Divisórias Retráteis com elevada tecnologia acústica, utilizadas principalmente no meio hoteleiro, corporativo, onde hoje desfrutamos de uma posição privilegiada no cenário industrial brasileiro. 

entre em contato

Nosso formulário

onde estamos